Berliner Boersenzeitung - Nova troca no comando expõe instabilidade na Petrobras

EUR -
AED 3.969841
AFN 76.74009
ALL 100.140792
AMD 418.914145
ANG 1.948033
AOA 919.256069
ARS 962.214396
AUD 1.637001
AWG 1.945523
AZN 1.842276
BAM 1.949229
BBD 2.182442
BDT 126.782583
BGN 1.953965
BHD 0.407376
BIF 3107.432787
BMD 1.080846
BND 1.458483
BOB 7.468821
BRL 5.575474
BSD 1.080856
BTN 89.954739
BWP 14.665559
BYN 3.537275
BYR 21184.585263
BZD 2.178755
CAD 1.484558
CDF 3037.177937
CHF 0.988325
CLF 0.03562
CLP 982.878354
CNY 7.827499
CNH 7.845381
COP 4179.091782
CRC 554.231542
CUC 1.080846
CUP 28.642424
CVE 110.408703
CZK 24.73203
DJF 192.087362
DKK 7.461508
DOP 63.499885
DZD 145.581711
EGP 50.958219
ERN 16.212693
ETB 61.743286
FJD 2.442576
FKP 0.860461
GBP 0.851523
GEL 2.9561
GGP 0.860461
GHS 15.726616
GIP 0.860461
GMD 73.227632
GNF 9296.358526
GTQ 8.398686
GYD 226.257228
HKD 8.440598
HNL 26.76141
HRK 7.544259
HTG 143.755363
HUF 386.893263
IDR 17384.438155
ILS 3.970867
IMP 0.860461
INR 90.038541
IQD 1415.908505
IRR 45463.097855
ISK 150.302322
JEP 0.860461
JMD 168.771029
JOD 0.766213
JPY 169.558282
KES 142.671283
KGS 95.108951
KHR 4406.609964
KMF 491.623188
KPW 972.761241
KRW 1477.711549
KWD 0.331776
KYD 0.900763
KZT 478.86562
LAK 23103.087157
LBP 96789.776439
LKR 324.376443
LRD 209.224795
LSL 19.768244
LTL 3.191457
LVL 0.653793
LYD 5.225901
MAD 10.717941
MDL 19.109577
MGA 4803.279886
MKD 61.319207
MMK 2269.847754
MNT 3728.9191
MOP 8.692396
MRU 42.941721
MUR 49.834839
MVR 16.699388
MWK 1872.566902
MXN 18.102736
MYR 5.084843
MZN 68.622276
NAD 19.769077
NGN 1560.741435
NIO 39.72087
NOK 11.547198
NPR 143.927782
NZD 1.772858
OMR 0.415913
PAB 1.080856
PEN 4.046148
PGK 4.152069
PHP 62.992255
PKR 301.069399
PLN 4.264011
PYG 8128.596391
QAR 3.935632
RON 4.973728
RSD 117.131153
RUB 97.494703
RWF 1400.776658
SAR 4.053804
SBD 9.187442
SCR 14.818554
SDG 649.588409
SEK 11.621583
SGD 1.461423
SHP 1.365595
SLE 24.69442
SLL 22664.805132
SOS 617.163047
SRD 34.885936
STD 22371.333849
SVC 9.458114
SYP 2715.658313
SZL 19.768732
THB 39.625437
TJS 11.641055
TMT 3.782962
TND 3.375442
TOP 2.556579
TRY 34.794273
TTD 7.335271
TWD 34.868634
TZS 2810.325452
UAH 43.177737
UGX 4134.063
USD 1.080846
UYU 41.400428
UZS 13769.980211
VEF 3915422.093667
VES 39.451688
VND 27522.667303
VUV 128.32021
WST 3.029712
XAF 653.753029
XAG 0.035907
XAU 0.000463
XCD 2.921041
XDR 0.816547
XOF 652.291962
XPF 119.331742
YER 270.643258
ZAR 19.984651
ZMK 9728.912301
ZMW 28.616526
ZWL 348.032031
Nova troca no comando expõe instabilidade na Petrobras
Nova troca no comando expõe instabilidade na Petrobras / foto: MAURO PIMENTEL - AFP/Arquivos

Nova troca no comando expõe instabilidade na Petrobras

A Petrobras mudará mais uma vez de presidente, expondo novamente a instabilidade na estatal em um momento em que o setor petroleiro tem pela frente grandes desafios com a transição energética.

Tamanho do texto:

Demitido na noite de terça-feira pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Jean Paul Prates, já enfrentava um forte desgaste pela distribuição de dividendos extraordinários aos acionistas.

Ficou menos de um ano e meio no cargo. A maior empresa brasileira terá em breve seu sexto dirigente em pouco mais de três anos.

Sua saída, aprovada na quarta-feira pelo Conselho de Administração da Petrobras, despertou a preocupação dos investidores: o preço das ações ordinárias caiu 6,78% na Bolsa de São Paulo, enquanto as ações preferenciais despencaram 6,04%.

"A mudança na presidência da Petrobras afeta o preço das ações devido às expectativas do mercado sobre a nova gestão, abrindo espaço para especulações sobre políticas de preços, incertezas sobre dividendos e a influência política na empresa", analisa Hayson Silva, da corretora Nova Futura Investimentos.

A Petrobras, registrou em 2023 um lucro líquido de 24,8 bilhões de dólares, uma queda de 32,1% em relação a 2022, devido às baixas nos preços do petróleo.

Porém, foi o segundo ano mais lucrativo de sua história.

Pouco mais da metade do capital da sociedade de economia mista pertence ao Estado brasileiro e o restante a acionistas privados. Seu presidente é nomeado pelo Governo.

- Como um ministro -

Nomeado pouco depois de Lula retornar ao poder, em janeiro de 2023, Jean Paul Prates, ex-senador de 55 anos, deverá ser substituído por Magda Chambriard, de 66 anos, ex-diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo.

Sua indicação, que ainda deve ser aprovada pelo Conselho de Administração, foi confirmada na quarta-feira pela empresa, que também anunciou Clarice Coppetti, membro da atual direção, como presidente interina.

Por ser controlada pelo Estado, a petroleira "está sujeita a um ciclo político", explica à AFP Mauricio Canêdo Pinheiro, professor de Economia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), que compara o tempo de permanência de um presidente da Petrobras "ao de um ministro".

"Ele é trocado com uma frequência muito maior do que companhias de porte similar do mesmo setor", acrescenta.

O desgaste de Prates começou em março, quando o Conselho de Administração decidiu não pagar a seus acionistas nenhum dividendo extraordinário sobre o lucro de 2023.

Os preços das ações despencaram e os analistas interpretaram a decisão como resultado de interferência estatal nos assuntos da empresa.

A Petrobras finalmente voltou atrás e aprovou o pagamento de 50% desses dividendos em abril.

- "Rotina" -

"Se ele não atende ao que o governo quer, não atende na velocidade que o governo quer, e aí ele é demitido", indica Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura.

Segundo ele, a prioridade do Governo é "pulverizar o investimento".

"Um dos setores em que pretende investir é a transição energética, então ela está falando de óleo diesel verde, ela está falando de eólico off-shore, da discussão de combustíveis do futuro...", afirma.

O petróleo é um tema delicado para Lula, que apresenta-se como defensor do meio ambiente, mas já indicou várias vezes que continua comprometido com a exploração de hidrocarbonetos, recurso essencial para o país.

Canêdo Pinheiro não espera "uma guinada de 180 graus", mas "uma queda de braço" dentro da empresa e inclusive em setores divergentes do Governo.

De um lado, coloca aqueles que querem distribuir dividendos e que também permitem engordar os cofres públicos e do outro os que advogam por "uma política mais agressiva nos investimentos".

O deputado Eduardo Bolsonaro (PL_SP), filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (2019-2022), afirmou na quarta-feira no X que a Petrobras corre o risco de "afundar" com as decisões de Lula.

José Guimarães (PT-CE), líder do Governo na Câmara, lembrou que as mudanças à frente da Petrobras eram "rotina" no governo Bolsonaro, que "demitiu o presidente da Petrobras três vezes em um ano".

(Y.Yildiz--BBZ)