Berliner Boersenzeitung - França declara estado de emergência no território da Nova Caledônia após distúrbios

EUR -
AED 3.985014
AFN 77.867561
ALL 100.40975
AMD 420.238869
ANG 1.95399
AOA 920.431634
ARS 966.428532
AUD 1.635077
AWG 1.955632
AZN 1.843369
BAM 1.955918
BBD 2.189113
BDT 127.16766
BGN 1.955254
BHD 0.408936
BIF 3112.102187
BMD 1.084955
BND 1.463942
BOB 7.491451
BRL 5.575715
BSD 1.084205
BTN 90.113135
BWP 14.73043
BYN 3.548145
BYR 21265.124859
BZD 2.185412
CAD 1.482386
CDF 3048.724854
CHF 0.992279
CLF 0.035632
CLP 983.207988
CNY 7.857256
CNH 7.875593
COP 4193.070339
CRC 555.853974
CUC 1.084955
CUP 28.751317
CVE 110.274183
CZK 24.646604
DJF 193.038744
DKK 7.461694
DOP 63.8462
DZD 145.954755
EGP 50.883971
ERN 16.27433
ETB 62.294849
FJD 2.417502
FKP 0.863732
GBP 0.851722
GEL 2.940138
GGP 0.863732
GHS 15.774023
GIP 0.863732
GMD 73.532834
GNF 9319.90497
GTQ 8.421779
GYD 226.824708
HKD 8.47457
HNL 26.792602
HRK 7.572941
HTG 144.143996
HUF 384.171294
IDR 17431.977608
ILS 3.974137
IMP 0.863732
INR 90.133643
IQD 1420.185542
IRR 45649.496765
ISK 149.929765
JEP 0.863732
JMD 169.676476
JOD 0.769125
JPY 170.106884
KES 144.027677
KGS 95.428007
KHR 4422.429421
KMF 494.360114
KPW 976.459486
KRW 1480.864244
KWD 0.332995
KYD 0.903454
KZT 480.178923
LAK 23205.253247
LBP 97088.727387
LKR 324.781537
LRD 210.020206
LSL 20.05008
LTL 3.203591
LVL 0.656279
LYD 5.25351
MAD 10.814151
MDL 19.233868
MGA 4804.466517
MKD 61.620699
MMK 2276.821081
MNT 3743.095712
MOP 8.724485
MRU 43.11671
MUR 50.201119
MVR 16.773526
MWK 1879.782528
MXN 18.096893
MYR 5.108514
MZN 68.948252
NAD 20.050208
NGN 1593.21395
NIO 39.903875
NOK 11.472909
NPR 144.182
NZD 1.770273
OMR 0.417534
PAB 1.084165
PEN 4.053044
PGK 4.213409
PHP 63.026681
PKR 301.608486
PLN 4.253527
PYG 8154.791836
QAR 3.950862
RON 4.976041
RSD 117.176246
RUB 99.409067
RWF 1425.73844
SAR 4.069233
SBD 9.195197
SCR 14.866069
SDG 652.057901
SEK 11.560009
SGD 1.464408
SHP 1.370787
SLE 24.788303
SLL 22750.972231
SOS 619.509821
SRD 35.016387
STD 22456.385228
SVC 9.486571
SYP 2725.982708
SZL 19.932936
THB 39.646428
TJS 11.687104
TMT 3.808193
TND 3.383705
TOP 2.563261
TRY 34.958113
TTD 7.362443
TWD 34.908422
TZS 2810.0345
UAH 43.517226
UGX 4125.267488
USD 1.084955
UYU 41.723859
UZS 13782.766658
VEF 3930307.752755
VES 39.601678
VND 27626.218076
VUV 128.808058
WST 3.041231
XAF 656.0207
XAG 0.035197
XAU 0.000463
XCD 2.932146
XDR 0.81898
XOF 656.0207
XPF 119.331742
YER 271.618044
ZAR 19.964317
ZMK 9765.898848
ZMW 28.93681
ZWL 349.35518
França declara estado de emergência no território da Nova Caledônia após distúrbios
França declara estado de emergência no território da Nova Caledônia após distúrbios / foto: Theo Rouby - AFP

França declara estado de emergência no território da Nova Caledônia após distúrbios

O presidente da França, Emmanuel Macron, decidiu nesta quarta-feira (15) declarar estado de emergência no território francês da Nova Caledônia, onde os distúrbios contra uma reforma do censo eleitoral deixaram três mortos e centenas de feridos desde segunda-feira.

Tamanho do texto:

"Qualquer ato de violência é intolerável e será objeto de uma resposta implacável para garantir o restabelecimento da ordem", afirmou um comunicado da Presidência francesa. Um Conselho de Ministros aprovará o estado de emergência.

Os protestos começaram na segunda-feira, quando a Assembleia Nacional, a Câmara dos Deputados francesa, começou a debater em Paris uma reforma do censo eleitoral, aprovada na madrugada desta quarta-feira.

Atualmente, apenas os eleitores registrados em 1998 e seus descendentes podem participar nas eleições provinciais do arquipélago do Oceano Pacífico, que tem 270.000 habitantes.

Os independentistas consideram que a ampliação do censo eleitoral, que permitirá o voto dos que se estabeleceram mais recentemente na ilha, resultará na redução da influência proporcional dos residentes originais Kanak nas instituições locais, que têm amplas atribuições transferidas por Paris.

Após a primeira noite de graves distúrbios, com incêndios, saques e tiros contra a polícia, as autoridades do território decretaram um toque de recolher, proibiram reuniões públicas e fecharam escolas e o principal aeroporto.

Porém, "os graves problemas de ordem pública prosseguem, com incêndios e saques de estabelecimentos comerciais, infraestruturas e estabelecimentos públicos, incluindo várias escolas", admitiu nesta quarta-feira o Alto Comissário - representante do Estado francês -, Lous Le Franc.

"Imagine o que aconteceria se as milícias começassem a atirar contra pessoas armadas", disse Le Franc, que citou uma situação "insurrecional" no arquipélago.

A Presidência francesa informou que três pessoas morreram e que um policial está gravemente ferido. O ministro do Interior, Gérald Darmanin, anunciou "centenas" de pessoas feridas, incluindo policiais e gendarmes.

- "Solução política global" -

Os protestos contra a reforma, que já havia sido aprovada no Senado francês, não impediram o avanço do processo parlamentar em Paris. Porém, por tratar-se de uma reforma constitucional, a medida também deve ser submetida à votação conjunta das duas câmaras e obter mais de 60% de apoio para ser aprovada em definitivo.

Macron anunciou que convocará esta sessão "antes do final de junho", exceto se os independentistas da Nova Caledônia e os partidários da permanência na França aprovarem uma reforma alternativa.

O primeiro-ministro francês, Gabriel Attal, afirmou nesta quarta-feira que vai propor "nas próximas horas" uma data às partes para uma reunião em Paris para "construir uma solução política global".

"A prioridade é restabelecer a ordem, a calma e a serenidade", acrescentou Attal, em um cenário de pressão sobre o governo de Macron por parte da oposição de direita, que pediu um decreto de estado de emergência.

Localizado 1.200 quilômetros ao leste da costa da Austrália, este arquipélago é um dos muitos territórios que a França têm no Pacífico, no Oceano Índico ou no Caribe.

Graças ao acordo de Noumea de 1998, Paris delegou mais poder político à Nova Caledônia e já permitiu a organização de três referendos, todos com derrotas para a proposta de independência.

Os nativos kanak boicotaram o último referendo, em 2021, por ter sido convocado durante a pandemia de covid.

O acordo de Noumea também congelou o censo para as eleições provinciais no território, nas quais não podem votar quase 20% dos eleitores.

Por considerar o dispositivo "absurdo" e contrário aos princípios democráticos, o governo francês propôs uma reforma constitucional para incluir as pessoas estabelecidas na Nova Caledônia há pelo menos 10 anos.

Os independentistas kanak temem que a ampliação beneficie os partidos próximos ao governo de Paris e reduza sua influência.

Para a oposição de esquerda a Macron na França, a reforma mina o acordo de Noumea.

O líder do partido pró-independência, Daniel Gao, condenou os saques e pediu aos jovens que retornem para casa.

Mas ele fez um alerta: "Os distúrbios das últimas 24 horas mostram a determinação dos nossos jovens a não permitir que a França os controle".

(S.G.Stein--BBZ)