Berliner Boersenzeitung - Canal do Panamá aumenta trânsito de embarcações, embora escassez de água continue

EUR -
AED 3.976002
AFN 77.875123
ALL 100.346033
AMD 419.387297
ANG 1.953123
AOA 920.664265
ARS 963.418067
AUD 1.633964
AWG 1.951201
AZN 1.820226
BAM 1.955741
BBD 2.188114
BDT 126.956154
BGN 1.955331
BHD 0.408005
BIF 3110.705198
BMD 1.082497
BND 1.461481
BOB 7.488773
BRL 5.577782
BSD 1.083757
BTN 90.2299
BWP 14.644421
BYN 3.546543
BYR 21216.945328
BZD 2.184414
CAD 1.481105
CDF 3030.992289
CHF 0.990718
CLF 0.035256
CLP 972.829618
CNY 7.84237
CNH 7.854399
COP 4145.585443
CRC 555.670202
CUC 1.082497
CUP 28.686176
CVE 110.262679
CZK 24.714278
DJF 192.952373
DKK 7.462076
DOP 63.596017
DZD 145.56119
EGP 50.6088
ERN 16.237458
ETB 62.260451
FJD 2.453046
FKP 0.861775
GBP 0.850672
GEL 2.944759
GGP 0.861775
GHS 15.714669
GIP 0.861775
GMD 73.339021
GNF 9316.459606
GTQ 8.420823
GYD 226.735227
HKD 8.451835
HNL 26.782818
HRK 7.555783
HTG 144.398289
HUF 386.948363
IDR 17393.56518
ILS 3.97927
IMP 0.861775
INR 90.142468
IQD 1419.637327
IRR 45532.535935
ISK 150.09927
JEP 0.861775
JMD 169.073317
JOD 0.767384
JPY 169.600249
KES 143.425021
KGS 95.282484
KHR 4415.641896
KMF 492.373853
KPW 974.247162
KRW 1475.855432
KWD 0.332283
KYD 0.90316
KZT 479.828817
LAK 23149.191874
LBP 96886.32495
LKR 325.048653
LRD 209.544384
LSL 19.79888
LTL 3.196333
LVL 0.654792
LYD 5.244793
MAD 10.730474
MDL 19.149382
MGA 4802.810153
MKD 61.540629
MMK 2275.810041
MNT 3734.615131
MOP 8.713515
MRU 43.007583
MUR 50.087003
MVR 16.724707
MWK 1879.025725
MXN 18.019687
MYR 5.10127
MZN 68.736156
NAD 19.799272
NGN 1547.971103
NIO 39.887686
NOK 11.59006
NPR 144.363293
NZD 1.769845
OMR 0.416503
PAB 1.083767
PEN 4.046777
PGK 4.211736
PHP 62.982395
PKR 301.653376
PLN 4.263711
PYG 8153.677698
QAR 3.941643
RON 4.975378
RSD 117.132683
RUB 97.636749
RWF 1425.04367
SAR 4.059952
SBD 9.201477
SCR 15.782314
SDG 650.581021
SEK 11.616063
SGD 1.461593
SHP 1.367681
SLE 24.732142
SLL 22699.426275
SOS 618.105999
SRD 35.19218
STD 22405.506706
SVC 9.482581
SYP 2719.80656
SZL 19.703221
THB 39.587242
TJS 11.687884
TMT 3.78874
TND 3.379016
TOP 2.560485
TRY 34.851436
TTD 7.354675
TWD 34.885653
TZS 2809.080303
UAH 43.117996
UGX 4130.913033
USD 1.082497
UYU 41.639123
UZS 13772.582821
VEF 3921403.013786
VES 39.511951
VND 27568.497711
VUV 128.516223
WST 3.03434
XAF 655.931072
XAG 0.035679
XAU 0.000458
XCD 2.925503
XDR 0.818668
XOF 655.931072
XPF 119.331742
YER 271.045583
ZAR 19.855327
ZMK 9743.779833
ZMW 28.257883
ZWL 348.56366
Canal do Panamá aumenta trânsito de embarcações, embora escassez de água continue
Canal do Panamá aumenta trânsito de embarcações, embora escassez de água continue / foto: MARTIN BERNETTI - AFP

Canal do Panamá aumenta trânsito de embarcações, embora escassez de água continue

O Canal do Panamá aumentou o número de trânsitos diários de navios nesta quinta-feira (16), embora continue com o mesmo déficit de água que ocasionou no ano passado uma restrição à quantidade de travessias e à profundidade das embarcações, informaram as autoridades.

Tamanho do texto:

Esta via interoceânica, que movimenta 6% do comércio marítimo mundial e foi inaugurada pelos Estados Unidos em 1914, começou a aplicar restrições em abril de 2023 devido à escassez de chuvas causada pelo fenômeno El Niño.

Agora, entretanto, aumentou de 27 para 31 o número diário de travessias de embarcações, graças ao aumento do nível dos dois lagos artificiais que abastecem de água doce o canal de 80 km de extensão que une o Oceano Pacífico ao Atlântico.

"Podemos anunciar com certo contentamento para a comunidade marítima internacional que vamos aumentar para 31 trânsitos", disse à AFP o vice-presidente de Operações do Canal, Boris Moreno.

"É uma boa notícia para o Canal e também para os usuários", afirmou.

A medida foi notificada às companhias de navegação em 15 de abril, mas entrou em vigor agora. A partir de 1º de junho, serão permitidos 32 navios navegando pelo canal.

Além disso, a partir de 15 de junho, a profundidade máxima permitida para os navios que passam pelas maiores eclusas, inauguradas em 2016, será de 13,71 metros, em vez dos atuais 13,41 metros.

"Nós estaremos anunciando nos próximos meses aumentos graduais de capacidade e esperamos que até o final deste ano possamos estar nos níveis normais de tráfego", indicou Moreno.

- Recorde em leilão -

O canal panamenho não utiliza água do mar, como o Canal de Suez, e cerca de 200 milhões de litros de água doce são despejados no mar a cada passagem de navio, que são armazenados nos lagos Gatún (450 km²) e Alhajuela (50 km²).

Antes da crise, em média 39 navios passavam pelo canal por dia. No momento mais crítico de 2023, a quantidade caiu para 22, resultando em até 160 navios aguardando para atravessar. Agora, o número oscila entre 50 e 60, reportou Moreno.

A redução nos trânsitos levou algumas companhias de navegação a desembolsar mais dinheiro para conseguir um turno de passagem nos leilões organizados pela Autoridade do Canal do Panamá (ACP). Um navio chegou a pagar quatro milhões de dólares (20,5 milhões de reais) por uma vaga, além do pedágio.

Os principais usuários do Canal são os Estados Unidos, China, Japão, Coreia do Sul e Chile.

- Esperando mais chuvas -

Com oito rios principais, a bacia do Canal também fornece água potável para 58% dos 4,4 milhões de habitantes do país.

Dos 2.800 milímetros de chuva que caíam anualmente em média, passou-se para apenas 1.800 mm em 2023, explicou o hidrólogo Ricardo Güete, durante uma inspeção às estações de monitoramento no lago Gatún.

No entanto, algumas chuvas esporádicas e as medidas restritivas adotadas pela ACP para economizar água permitiram que o nível dos lagos subisse, embora ainda não tenha alcançado os níveis necessários para operar normalmente.

"Estamos quatro ou cinco pés (1,2 a 1,5 metros) abaixo dos níveis que deveríamos ter", observou Güete.

A situação deve melhorar durante a temporada de chuvas, que vai de maio a novembro, pois está previsto o fenômeno La Niña, que implica mais precipitação no país, disse o hidrólogo.

"Esperamos que ainda neste mês comecem a cair as chuvas e que a situação se normalize", defende Güete.

Ele conta que "embora o ano passado não tenha sido o El Niño mais crítico, foi em termos de disponibilidade de água, devido à operação das novas eclusas, ao aumento da população e à maior evaporação pelo aquecimento global".

- "Vender certeza" -

A ACP estuda incorporar novas fontes de água ao Canal para evitar futuras crises hídricas, mas são obras que exigem tempo e investimentos milionários.

"Antes tínhamos água sempre [...]. Esta crise nos ensinou que agora administrar a água é primordial", afirmou Moreno, engenheiro eletromecânico com 41 anos de experiência no Canal.

A seca levou a ACP a criar um sistema de reserva, semelhante ao das companhias aéreas, para que os navios não percam tempo esperando.

"Esta crise hídrica do Canal nos serviu para mudar nosso modelo de negócios e poder vender essa certeza (...), porque para nosso cliente, tempo é dinheiro", explicou Moreno.

"Vender a certeza por meio do sistema de reserva (...) tem sido uma das grandes conquistas deste período", acrescentou.

(U.Gruber--BBZ)