Berliner Boersenzeitung - Inflação cai em abril nos EUA pela primeira vez desde janeiro

EUR -
AED 3.985516
AFN 77.8766
ALL 100.421405
AMD 420.287648
ANG 1.954217
AOA 920.538458
ARS 965.174268
AUD 1.635661
AWG 1.955859
AZN 1.840772
BAM 1.956145
BBD 2.189367
BDT 127.182421
BGN 1.955327
BHD 0.408687
BIF 3112.463426
BMD 1.085081
BND 1.464112
BOB 7.492321
BRL 5.576362
BSD 1.084331
BTN 90.123595
BWP 14.73214
BYN 3.548556
BYR 21267.593221
BZD 2.185666
CAD 1.48266
CDF 3049.078337
CHF 0.99196
CLF 0.035637
CLP 983.322198
CNY 7.858146
CNH 7.875129
COP 4193.557052
CRC 555.918495
CUC 1.085081
CUP 28.754654
CVE 110.286983
CZK 24.636773
DJF 193.061151
DKK 7.460803
DOP 63.85361
DZD 145.884095
EGP 51.150125
ERN 16.276219
ETB 62.30208
FJD 2.460584
FKP 0.863832
GBP 0.851615
GEL 2.940298
GGP 0.863832
GHS 15.775854
GIP 0.863832
GMD 73.541405
GNF 9320.986783
GTQ 8.422757
GYD 226.851036
HKD 8.476031
HNL 26.795712
HRK 7.57382
HTG 144.160728
HUF 384.119858
IDR 17416.639734
ILS 3.969851
IMP 0.863832
INR 90.153056
IQD 1420.350391
IRR 45654.795416
ISK 149.914851
JEP 0.863832
JMD 169.696171
JOD 0.769219
JPY 170.059904
KES 141.463031
KGS 95.439083
KHR 4422.942757
KMF 494.417124
KPW 976.57283
KRW 1481.900951
KWD 0.333131
KYD 0.903559
KZT 480.23466
LAK 23207.94681
LBP 97099.997016
LKR 324.819236
LRD 210.044607
LSL 20.052131
LTL 3.203963
LVL 0.656355
LYD 5.25412
MAD 10.815407
MDL 19.2361
MGA 4805.024198
MKD 61.630865
MMK 2277.085364
MNT 3743.530194
MOP 8.725498
MRU 43.120923
MUR 49.998814
MVR 16.775484
MWK 1880.000725
MXN 18.093944
MYR 5.106936
MZN 68.901516
NAD 20.052139
NGN 1593.398562
NIO 39.908507
NOK 11.480918
NPR 144.198736
NZD 1.769903
OMR 0.417589
PAB 1.084291
PEN 4.053515
PGK 4.213898
PHP 63.051895
PKR 301.643496
PLN 4.254358
PYG 8155.738408
QAR 3.951322
RON 4.976398
RSD 117.167015
RUB 99.420592
RWF 1425.903934
SAR 4.069702
SBD 9.196265
SCR 14.821149
SDG 652.133875
SEK 11.561199
SGD 1.464426
SHP 1.370946
SLE 24.791181
SLL 22753.613063
SOS 619.580851
SRD 35.020453
STD 22458.991866
SVC 9.487673
SYP 2726.299128
SZL 19.935249
THB 39.74218
TJS 11.688461
TMT 3.808635
TND 3.384097
TOP 2.566002
TRY 34.966967
TTD 7.363298
TWD 34.905954
TZS 2817.90198
UAH 43.522277
UGX 4125.746331
USD 1.085081
UYU 41.728702
UZS 13784.3665
VEF 3930763.965447
VES 39.606275
VND 27631.594968
VUV 128.823009
WST 3.041584
XAF 656.096848
XAG 0.035331
XAU 0.000463
XCD 2.932486
XDR 0.819075
XOF 656.096848
XPF 119.331742
YER 271.650339
ZAR 19.9668
ZMK 9767.025521
ZMW 28.940169
ZWL 349.395732
Inflação cai em abril nos EUA pela primeira vez desde janeiro
Inflação cai em abril nos EUA pela primeira vez desde janeiro / foto: Patrick T. Fallon - AFP/Arquivos

Inflação cai em abril nos EUA pela primeira vez desde janeiro

A inflação desacelerou ligeiramente nos Estados Unidos em abril, sua primeira queda desde janeiro, uma boa notícia para o governo de Joe Biden antes das eleições de novembro.

Tamanho do texto:

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) - ao qual estão indexadas as pensões e aposentadorias - chegou a 3,4% em 12 meses em abril, 0,1% a menos que o registrado em março, informou o Departamento de Trabalho em um comunicado.

Esta cifra coincide com a média das previsões dos economistas entrevistados pelos meios especializados Dow Jones Newswires e The Wall Street Journal.

A evolução também está em linha com as expectativas de analistas coletadas no mercado pela companhia de monitoramento financeiro Market Watch.

Por sua vez, a inflação mensal foi de 0,3%, contra 0,4% do mês anterior. Este registro está ligeiramente abaixo das projeções anteriores.

O aumento dos preços se deve, em particular, aos custos com habitação e gasolina, que representam mais de 70% do aumento.

- Quadro favorável -

Para o governo do democrata Joe Biden, o panorama é ainda melhor se também for somada a chamada inflação subjacente, que exclui os preços voláteis de alimentos e energia, e que caiu para 3,6% em 12 meses, seu nível mais baixo desde abril de 2021, quando os preços haviam iniciado sua escalada.

Os dados de inflação constituem um sinal positivo para Biden antes das eleições de novembro, nas quais buscará a reeleição contra seu antecessor, o republicano Donald Trump.

Os números respaldam a mensagem de seu governo de que a economia americana deu um giro, enquanto busca acalmar as preocupações dos consumidores sobre o impacto do aumento dos preços antes das eleições.

"Sei que muitas famílias estão em apuros e que, embora tenhamos progredido, ainda temos muito a fazer", disse Biden em um comunicado difundido após a divulgação dos dados de inflação. "Os preços continuam muito altos", admitiu.

A inflação está no centro da campanha eleitoral, já que reduziu o poder aquisitivo dos americanos e é um ponto que a oposição republicana tenta explorar há bastante tempo.

O magnata republicano Donald Trump é quem mais atribuiu, durante bastante tempo, a responsabilidade do aumento de preços ao próprio Biden.

No entanto, Biden advertiu nesta quarta que o programa de governo dos republicanos "faria com que a inflação disparasse".

- Direção 'correta' -

O ritmo de aumento do CPI voltou a acelerar no início de 2024, após uma diminuição significativa nos últimos meses de 2023.

"As pressões sobre os preços continuam sendo elevadas, mas avançam na direção correta", assinalou Rubeela Farooqi, economista-chefe da consultoria High Frequency Economics".

Para os consumidores, o retrocesso da inflação restabelece o poder aquisitivo. E isso também significa que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) estará mais inclinado a reduzir suas taxas de juros quando considerar que a inflação adotou uma tendência descendente sustentável.

Assim, isso deixaria o crédito mais barato para as famílias, que poderiam comprar mais facilmente um imóvel ou um carro, por exemplo.

Os responsáveis do Fed buscam uma meta inflacionária do 2%, favorecendo outra medição, o índice PCE, que também havia avançado 2,7% em março, em estimativa anual.

A queda da inflação em abril "é um pequeno passo na direção correta, mas não garante nenhuma mudança em nossa previsão de que o primeiro corte de juros do Fed ocorrerá em setembro, seguido de outro em dezembro", opinou Ryan Sweet, economista da Oxford Economics.

(A.Lehmann--BBZ)